RADbank

O RADbank é uma base de dados resultante do projeto LUPo (Léxico Unisyn do Português).


InícioPaísesPalavrasFicha

enpt

Entrevista

Informante 21

Idade:32
Sexo/Género:Feminino
Escolaridade:Licenciatura em Engenharia do Ambiente (Lisboa)
Nacionalidade:brasileira (Campinas, São Paulo, Brasil)
Data / Local:21/01/2011, Lisboa, Portugal
Entrevistador:Neuza Campaniço
Especificações:Marantz PMD 670, PCM, mono, int. mic., 44.1 kHz

Oiça a entrevista completa

Perguntas e respostas

Perfil sociolinguístico

1. Que línguas fala?

português

2. Com que idade começou a falar cada uma delas?

língua materna

3. Com que idade começou a falar português?

língua materna

4. Que língua acha mais fácil de aprender a falar? Porquê?

espanhol por ser mais parecido com o português

5. Que línguas fala em casa?

português

6. Que línguas fala no trabalho?

português

7. Com que frequência fala português no trabalho?

sempre

8. Com que frequência fala português na vida privada?

sempre

9. Língua(s) que a mãe fala(va)

português (com noções de inglês e francês)

10. Língua(s) que o pai fala(va)

português (com noções de inglês e alemão)

Notas

---------

Questionário

1. Acha que existe uma pronúncia característica desta cidade? Como o identifica?

Sim! As vogais tendem a ser mais fechadas, ocorrem muitas sílabas que parecem ser subtraídas. Os sotaques normalmente também implicam um ritmo de se falar próprio.

2. Nota diferenças de pronúncia nas pessoas desta cidade?

Sim.

3. Reconhece a origem das pessoas pela pronúncia?

Aqui, um pouco (ás vezes). No Brasil reconheço bem.

4. Convive com pessoas de outras localidades além das desta cidade? De onde são?

Sim, Santa Comba Dão, Covilhã e Lisboa.

5. Qual é a sua pronúncia? Gosta dela? Porquê?

Sotaque típico das regiões do interior do estado de São Paulo, próximo ao linguajar caipira.

6. Acha que há mudanças na sua pronúncia desde que veio para esta cidade?

Penso que não, mas se houve alguma mudança, deve ter sido mínima.

7. Identifica a sua pronúncia como parecida ou igual ao desta cidade? Se sim, em quê?

Não, de forma alguma é parecido!

8. Já alguma vez alguém comentou a sua pronúncia?

Sim, há portugueses que percebem que tenho os “r” erres puxados, como é de se esperar das regiões do interior.

9. Qual é a pronúncia de que gosta mais? Porquê?

No Brasil gosto dos cariocas e também dos gaúchos. Fora do Brasil não sei avaliar muito bem, mas de qualquer maneira aprecio a pronúncia dos franceses, italianos e alemães.

10. Qual é a pronúncia de que gosta menos? Porquê?

Não gosto muito do sotaque nordestino no Brasil e nem de Mineiros ou de regiões do centro oeste e norte. O Espanhol também não me soa muito bem.

11. Se tivesse de escolher uma pronúncia que não a sua, qual seria? Porquê?

Não sei, mas creio que escolheria o sotaque carioca, do Brasil.

12. A pronúncia dos seus pais é parecida com a sua?

Não! Meus pais vieram de cidades diferentes então o sotaque muda um pouco. Meu pai é gaúcho, e minha mãe é paulista, mas morou em diferentes cidades no Brasil e fora.

13. Parece-lhe que as outras pessoas sempre bem percebem o que diz? Já teve alguma situação em que não perceberam o que dizia? Como se sentiu?

Sim, nem sempre o que digo ás pessoas aqui em Portugal é imediatamente percebido. Isto é um bocado chato!

14. Que opinião lhe parecem ter outras pessoas neste país acerca da sua pronúncia?

Penso que o meu sotaque não seja dos mais apreciados r outras pessoas, entretanto penso que não tenho o sotaque tão marcado, então isto ajuda um pouco!

15. Em geral, na televisão e rádio, que pronúncia ouve com mais frequência?

No Brasil, os veículos de comunicação evitam sotaques e procuram pronúncias mais “limpas” e “claras”, típicas nas metrópoles. Penso que essa seja uma tendência no mundo todo!

16. Que língua acha que deveria ser escolhida como padrão? (apenas nas entrevistas conduzidas em Cabo Verde)