RADbank

O RADbank é uma base de dados resultante do projeto LUPo (Léxico Unisyn do Português).


InícioPaísesPalavrasFicha

enpt

Entrevista

Informante 67

Idade:26
Sexo/Género:Masculino
Escolaridade:1 ano de Licenciatura filosofia + 2 anos de relações internacionais
Nacionalidade:moçambicana (Nampula – cidade)
Data / Local:01/09/2011, Maputo, Moçambique
Entrevistador:Simone Ashby / José Pedro Ferreira
Especificações:Prompts: Marantz PMD 670, PCM, mono, int. mic., 44.1 kHz; INQ.: Zoom HD2, PCM, 44.1 kHz, int. mic. (bi-directional, stereo)

Oiça a entrevista completa

Perguntas e respostas

Perfil sociolinguístico

1. Que línguas fala?

português, macua, inglês pouco

2. Com que idade começou a falar cada uma delas?

português e macua língua materna

3. Com que idade começou a falar português?

língua materna

4. Que língua acha mais fácil de aprender a falar? Porquê?

macua. mais falado.

5. Que línguas fala em casa?

português, menos macua

6. Que línguas fala no trabalho?

português com nampulenses macua uma vez por semana

7. Com que frequência fala português no trabalho?

sempre

8. Com que frequência fala português na vida privada?

sempre

9. Língua(s) que a mãe fala(va)

macua, português muito bem

10. Língua(s) que o pai fala(va)

sena (beira), macua não fluentemente, português bem

Notas

---------

Questionário

1. Acha que existe uma pronúncia característica desta cidade? Como o identifica?

Existe. Chissano [Si~s6nu], Maputo [m6~putu], vai comprar os pão. os carros vermelho. género o mesa, as carros.

2. Nota diferenças de pronúncia nas pessoas desta cidade?

Existe: dentro da cidade e fora da cidade. língua materna vs língua segunda. Estudos vs não estudos.

3. Reconhece a origem das pessoas pela pronúncia?

Maputo, Nampula (Betro por pedro), Tete carregam no /t/. Cabo delgado (dete/tete, responsabilitate). Beira menos carregado.

4. Convive com pessoas de outras localidades além das desta cidade? De onde são?

Não.

5. Qual é a sua pronúncia? Gosta dela? Porquê?

Do norte (do macua). Gosta e não não gosta: facilita a comunicação mas não é como se deve pronunciar.

6. Acha que há mudanças na sua pronúncia desde que veio para esta cidade?

Sim. Expressa palavras como se fosse de Maputo.

7. Identifica a sua pronúncia como parecida ou igual ao desta cidade? Se sim, em quê?

Não tanto: mas arrasta alguns pozinhos de Maputo. Quando liga para casa dizem que já fala como maputense.

8. Já alguma vez alguém comentou a sua pronúncia?

Já.

9. Qual é a pronúncia de que gosta mais? Porquê?

Português europeu. É o mais puro, natural e leve.

10. Qual é a pronúncia de que gosta menos? Porquê?

Brasileiro: não se entende o porquê de certas pronúncias. Tem muitas inovações.

11. Se tivesse de escolher uma pronúncia que não a sua, qual seria? Porquê?

Cabo Verde. Porque não é tão marcado como o português europeu, mas ainda leve.

12. A pronúncia dos seus pais é parecida com a sua?

Não. O pai tem marcas da Beira, a mãe fala mais macuizada.

13. Parece-lhe que as outras pessoas sempre bem percebem o que diz? Já teve alguma situação em que não perceberam o que dizia? Como se sentiu?

Sim. Sim. Mal, porque com a sua pronúncia não consegue transmitir o que quer.

14. Que opinião lhe parecem ter outras pessoas neste país acerca da sua pronúncia?

Complicada. Difícil de ouvir. Não serve para discursar.

15. Em geral, na televisão e rádio, que pronúncia ouve com mais frequência?

Maputo. Vai mudando.

16. Que língua acha que deveria ser escolhida como padrão? (apenas nas entrevistas conduzidas em Cabo Verde)