RADbank

O RADbank é uma base de dados resultante do projeto LUPo (Léxico Unisyn do Português).


InícioPaísesPalavrasFicha

enpt

Entrevista

Informante 70

Idade:22
Sexo/Género:Feminino
Escolaridade:Está a frequentar o 1º ano de Licenciatura
Nacionalidade:cabo-verdiana (Ribeira Grande, Santo Antão)
Data / Local:01/12/2011, Mindelo, Cabo Verde
Entrevistador:Simone Ashby / José Pedro Ferreira
Especificações:Prompts: Marantz PMD 670, PCM, mono, int. mic., 44.1 kHz; INQ.: Zoom HD2, PCM, 44.1 kHz, int. mic. (bi-directional, stereo)

Oiça a entrevista completa

Perguntas e respostas

Perfil sociolinguístico

1. Que línguas fala?

inglês, francês, português, crioulo cabo-verdiano

2. Com que idade começou a falar cada uma delas?

inglês: 12; francês: 16; crioulo: língua materna

3. Com que idade começou a falar português?

7 anos, na escola.

4. Que língua acha mais fácil de aprender a falar? Porquê?

português: o pai vive há muito tempo em Portugal, madrasta portuguesa.

5. Que línguas fala em casa?

crioulo e inglês (mãe, tia, irmão) português também. Muito mais que o inglês.

6. Que línguas fala no trabalho?

(Explicações em inglês – datas em português). Uni: inglês, português, crioulo (com os colegas)

7. Com que frequência fala português no trabalho?

sempre

8. Com que frequência fala português na vida privada?

sempre

9. Língua(s) que a mãe fala(va)

português, crioulo, francês e um pouco de inglês

10. Língua(s) que o pai fala(va)

crioulo, português, francês, inglês

Notas

---------

Questionário

1. Acha que existe uma pronúncia característica desta cidade? Como o identifica?

(São Vicente) Sim. Algumas palavras, pronúncias – sotaque mais forte São Vicente tem palavras derivadas de Inglês mocinho vs. Boice. São Vicente pron. É mais lavada s/a;O/p VS. sep.

2. Nota diferenças de pronúncia nas pessoas desta cidade?

(São Vicente) - Pessoas de S. Antão misturam com a pronúncia de São Vicente. E- S. Antão há várias: R. Grande vs. Interior. Porto Novo, menos sofisticado que a R. Grande: “kmetchuk” vs “assado de tomuk”.

3. Reconhece a origem das pessoas pela pronúncia?

Sim; S. Nicolau:”[meʃta] bai pa casa” (vs. Mesti). Praia: não fala claramente.

4. Convive com pessoas de outras localidades além das desta cidade? De onde são?

(Santo Antão) Sim, de São Vicente e portugueses.

5. Qual é a sua pronúncia? Gosta dela? Porquê?

S. Antão. Adoro. Todo o mundo identifica que é de S. Antão.

6. Acha que há mudanças na sua pronúncia desde que veio para esta cidade?

(São Vicente) Não.

7. Identifica a sua pronúncia como parecida ou igual ao desta cidade? Se sim, em quê?

(São Vicente) Diferente.

8. Já alguma vez alguém comentou a sua pronúncia?

Sim, em São Vicente.

9. Qual é a pronúncia de que gosta mais? Porquê?

Portugal. Porque desde pequena foi influenciada pelo pai e uma escola, e pelos amigos portugueses.

10. Qual é a pronúncia de que gosta menos? Porquê?

São Vicente. Porque são irónicos e atrevidos.

11. Se tivesse de escolher uma pronúncia que não a sua, qual seria? Porquê?

Português de Portugal. Devido à influência do pai, amigos, madrasta.

12. A pronúncia dos seus pais é parecida com a sua?

Não. O pai tem mais experiência mas usa menos. Mãe usa menos.

13. Parece-lhe que as outras pessoas sempre bem percebem o que diz? Já teve alguma situação em que não perceberam o que dizia? Como se sentiu?

Algumas vezes. Normal, porque eles corrigem e aprende (os amigos de Portugal).

14. Que opinião lhe parecem ter outras pessoas neste país acerca da sua pronúncia?

(São Vicente) Gostam, dizem que é bonita (sap), mas é para ridicularizar.

15. Em geral, na televisão e rádio, que pronúncia ouve com mais frequência?

português europeu na tv. Na rádio, português e crioulo. Quando português, mais da Praia.

16. Que língua acha que deveria ser escolhida como padrão? (apenas nas entrevistas conduzidas em Cabo Verde)