RADbank

O RADbank é uma base de dados resultante do projeto LUPo (Léxico Unisyn do Português).


InícioPaísesPalavrasFicha

enpt

Entrevista

Informante 84

Idade:21
Sexo/Género:Feminino
Escolaridade:Frequenta o 1º ano de Ciências da Educação
Nacionalidade:cabo-verdiana (Paúl, Fajã Janela, Santo Antão)
Data / Local:01/12/2011, Mindelo, Cabo Verde
Entrevistador:Simone Ashby / José Pedro Ferreira
Especificações:Prompts: Marantz PMD 670, PCM, mono, int. mic., 44.1 kHz; INQ.: Zoom HD2, PCM, 44.1 kHz, int. mic. (bi-directional, stereo)

Oiça a entrevista completa

Perguntas e respostas

Perfil sociolinguístico

1. Que línguas fala?

crioulo, português, um pouco de francês

2. Com que idade começou a falar cada uma delas?

francês: 15 anos; crioulo: língua materna

3. Com que idade começou a falar português?

12 anos fora da sala; 6 anos dentro da sala.

4. Que língua acha mais fácil de aprender a falar? Porquê?

crioulo, porque não é preciso de ter cuidado com o português.

5. Que línguas fala em casa?

crioulo. De vez em quando português com a irmã.

6. Que línguas fala no trabalho?

Universidade: português na sala e fora; por vezes crioulo de Cabo Verde fora

7. Com que frequência fala português no trabalho?

sempre

8. Com que frequência fala português na vida privada?

menos de três vezes por semana

9. Língua(s) que a mãe fala(va)

crioulo de Cabo Verde, português

10. Língua(s) que o pai fala(va)

crioulo de cabo verde, português (no trabalho); ministério da agricultura

Notas

---------

Questionário

1. Acha que existe uma pronúncia característica desta cidade? Como o identifica?

(Santo Antão) Não. São Vicente sim.

2. Nota diferenças de pronúncia nas pessoas desta cidade?

(São Vicente) Não.

3. Reconhece a origem das pessoas pela pronúncia?

Praia: Mistura mais o crioulo de Cabo Verde.

4. Convive com pessoas de outras localidades além das desta cidade? De onde são?

(Santo Antão) São Vicente.

5. Qual é a sua pronúncia? Gosta dela? Porquê?

Cabo Verde,Santo Antão, influencia do cabo-verdiano no português.

6. Acha que há mudanças na sua pronúncia desde que veio para esta cidade?

(São Vicente) Sim, mas por causa da universidade.

7. Identifica a sua pronúncia como parecida ou igual ao desta cidade? Se sim, em quê?

(São Vicente) Sim, pela convivência. Entende-se bem, por oposição a São Vicente.

8. Já alguma vez alguém comentou a sua pronúncia?

Não.

9. Qual é a pronúncia de que gosta mais? Porquê?

Português europeu. É mais adequado, usado na escola.

10. Qual é a pronúncia de que gosta menos? Porquê?

Praia, não se entende.

11. Se tivesse de escolher uma pronúncia que não a sua, qual seria? Porquê?

São Nicolau. Muito bonita, a melhor depois de Santo Antão.

12. A pronúncia dos seus pais é parecida com a sua?

Não.

13. Parece-lhe que as outras pessoas sempre bem percebem o que diz? Já teve alguma situação em que não perceberam o que dizia? Como se sentiu?

Sim.

14. Que opinião lhe parecem ter outras pessoas neste país acerca da sua pronúncia?

(São Vicente) Acham o deles melhor.

15. Em geral, na televisão e rádio, que pronúncia ouve com mais frequência?

Santiago.

16. Que língua acha que deveria ser escolhida como padrão? (apenas nas entrevistas conduzidas em Cabo Verde)

Ensino – Sim. Matemática – Haveria menos reprovações. Variedade – Praia. Escrita – Não conhece ALUPEC escreve como pronuncia.